Flat, a palavra tomou conta do nosso jeito de andar. Planas, rasteiras, as flats dão aos pés uma segurança incrível nesse mundo cheio de armadilhas, que vão dos buracos nas calçadas a golpe de tudo quanto é tipo. As flats fazem você seguir o conselho de Dona Ivone Lara e pisar nesse chão devagarinho.

A mudança de estação traz novos modismos e novidades. Mesmo quem diz não ser muito ligado em tendências acaba se dando conta do que promete ser o hit do momento de tanto ver as mesmas propostas em vitrines, blogs e revistas. Já reparou como as diversas plataformas de informação ganharam tom vermelho com a chegada da primavera? A cor veio para marcar presença ao longo do próximo ano.

Meditação, oração, despacho na encruzilhada, medalha milagrosa, fé. Coachers, gurus e místicos, que me perdoem mas não tem nada mais poderoso do que um belo anel no dedo indicador. Da madrasta da Branca de Neve a Angelina Jolie (nossa eterna Malévola), não há feitiço, mal olhado e quebranto que resista ao elegante e voluntarioso dedinho.

Das gerações mais antigas até os millennials, todos reconhecem o símbolo de paz e amor. Mas você sabe a história desse desenho? Ele representa o movimento criado no final dos anos 50 na Inglaterra pelo Desarmamento Nuclear. Foi adotado pelo movimento Hippie, que nos anos 60 escolheram um modo de vida comunitário vivendo em comunhão com a natureza. 

Não é complexo de Peter Pan, mas quando crescemos esquecemos de brincar. Quem não leu as histórias de Alceia e Memeia sentindo o sabor da torta de amoras colhidas na floresta? Pela nova ortografia, os nomes perderam os acentos mas a dupla continua a mesma. Os sapatinhos da Minnie são uma graça mas sempre sonhei com aqueles da Dorothy em “O Mágico de Oz”. Brincar é preciso, assim como navegar e sonhar.

Segundo o dicionário o conforto é tudo aquilo que constitui o bem estar. E não é isso que procuramos o tempo todo? É comum, principalmente agora, ouvir: saia da zona de conforto! É aí que temos mais vontade de nos sentirmos abraçados, aconchegados, aninhados. Como ninguém é de ferro, fizemos uma seleção de produtos que unem beleza, estilo, prazer e conforto para ajudar você a sair da zona de conforto e encarar a vida lá fora. 

Acabei de assistir ao documentário “Franca, Caos & Criação” sobre a editora da “Vogue Itália” Franca Sozzani, dirigido pelo filho, Francesco Carrozzini. Adorei as respostas de Franca, que em seus 26 anos na Vogue soube usar a moda para falar de tudo, de violência doméstica, de sonho, da destruição da natureza pelo homem, da beleza e da leveza.

É sempre bom ficar atento na hora de consumir. Avaliar a relação custo e benefício ou se realmente você precisa daquela peça ou objeto. Em caso positivo, procure saber mais detalhes: tecido, acabamento, informações sobre a coleção. 

Flame, flamejante, chama ensolarada. O laranja energiza o verão, que já desafia a elegância. Como sobreviver com estilo em temperaturas altíssimas? Quando pequena ficava impressionada com uma amiga da minha mãe sempre impecável em camisas de seda. "Ela aprendeu a não suar na Socila (escola pioneira em etiqueta feminina criada nos anos 50)", comentavam. A primeira dica da nossa etiqueta pós-pós-Socila é o vestido coquetel da FIB.

Luxo. Uma palavra com mil significados. Para algumas tribos da América do Norte, luxo total era o Potlatch, quando um cacique se despojava de todas as suas riquezas oferecendo-as a outra tribo. Quanto mais ele oferecia mais prestígio conseguia.

Receba nossa Newsletter!

 
amandas_heloisa_marra1.png