Heloisa Marra
: Heloisa Marra

Uma história de boudoir sobre amor e perda, perversão, sexo e poder. Foi o título da coleção de Alexandre Herchcovitch, que abriu, na Prefeitura de São Paulo,a São Paulo Fashion Week de inverno com um desfile cheio de fetiches. Até o dia 23, no prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera, a semana, que comemora 20 anos, lança as novidades para o inverno 2016.

O estilista volta à essência do início de sua carreira mostrando na passarela uma feminilidade provocante entre a pureza monástica do branco e o preto, rico em vazados, argolas e zíperesA pesquisa da coleção, segundo o artista plástico Maurício Ianês (parceiro de longa data de Herchcovitch) começou com alguns fotógrafos e escritores surrealistas: Pierre Molinier, Claude Cahun, Man Ray, André Breton, "A  filosofia da alcova", do Sade.
montagem3



Nos anos 50 Pierre Molinier explorou com suas fotos os desejos transexuais, apostando no erotismo como "um lugar privilegiado, um teatro", onde excitação e proibição contracenam produzindo os momentos mais profundos da vida. Também na mesma década, Claude Cahun, pseudônimo de Lucie Schwob, dedicou sua escrita e suas imagens à discussão do gênero e da identidade, produzindo belos auto-retratos.

montagem2
Transparências revelando seios, rosto coberto sadomasô, argolas vazadas revelando o corpo, a linguagem das roupas lembrou os primeiros tempos do estilista. "Alê sempre trabalhou com fetiche, usando elementos como argolas e zíperes, que permeiam a história da marca. Achamos adequado trazer esses elementos de volta, mas trabalhados de uma forma sofisticada", explica Maurício.
montagem1

As argolas e as faixas, de cetim, gorgurão e tule, foram muito importantes para o desenvolvimento da coleção. A montagem das roupas em faixas de tecidos nobres interpretou com sutileza e requinte as amarrações fetichistas do bondage. As meninas do backstage, que perfiladas nos receberam para ver a coleção pendurada nas araras, adoraram os bodie de cetim, capaz de contornar cada curva do corpo vestindo muito bem.

referencias

"Temos desde peças que têm as fitas de tule e gorgurão bordadas até roupas inteiras montadas com fitas, uma do lado da outra. O desfile tem uma narrativa que mostra a mulher indo para a alcova. Ela sai com as camisolas, que já têm detalhes de argola mais delicados, entra uma camisola preta e um look preto com o rosto coberto. A partir daí o desfile vai ficando mais pesado", diz Maurício.

fernandayoung

Dois looks brancos quebram a dominação do preto. "Quisemos porque o tecido é maravilhoso, um cashmere branco, e porque um deles é mais esportivo e o outro bem monástico, que dá uma abertura bem no meio do desfile. Abre para afundar depois! (ri). Existe essa dualidade entre o monástico e a perversão. A coleção tem looks pretos cobertos até o pescoço com corte de alfaiataria e rasgos, transparências revelando os seios", diz Mauricio, que encerrou o desfile com Crying Game, de Boy George.

Na primeira fila, a escritora Fernanda Young, de calça comprida, camisa branca e bigodinho pintado, personificou o clima da coleção.

 


Receba nossa Newsletter!

 
amandas_heloisa_marra.png